Programa Apresentações Palestrantes convidados Workshops Sessões de satélite Bolsas de estudo Informações da exposição do Fórum 2017 Prêmios Perguntas frequentes

As mídias sociais
     

Workshops

O Fórum SVRI convida para os workshops pré-Fórum. Estas atividades serão realizadas no dia 18 de setembro de 2017. Lembramos que os workshops não estão incluídos no valor da sua inscrição e deverão ser pagos em separado. Os workshops possuem vagas limitadas e aqueles que realizarem o pagamento o mais breve possível, garantirão suas vagas

Workshops da manhã: 09:00 – 12:30

Workshop 1: Qual o lugar dos homens no feminismo? (Apresentação 1; Apresentação 2)

Facilitadores/as: Amy Bank (Puntos de Encuentro), Tim Shand (Institute for Reproductive Health, Georgetown University)

Público: Este workshop destina-se a todos os interessados ​​em participar de um debate reflexivo sobre os papéis dos homens no feminismo e na prevenção da violência sexual e de gênero. 

Descrição: Na medida em que aumenta a participação de homens no campo de pesquisas sobre igualdade de gênero, há um crescente debate sobre os papéis dos homens no feminismo e como envolvê-los de maneira que não se ofusquem as vozes das mulheres, nem prejudiquem sua presença. Este workshop reunirá pesquisadores, acadêmicos, ativistas e outros profissionais que trabalham com a perspectiva de gênero, para participar de um diálogo aberto sobre os papéis dos homens na construção da justiça de gênero e na prevenção e redução da violência sexual e de gênero. O workshop estará centrado nas seguintes perguntas:

  • Qual o lugar de homens e meninos no feminismo? De forma mais específica, quais são os papéis dos homens no feminismo para prevenir e acabar com a violência sexual e de gênero, incluindo a violência contra as mulheres?
  • Como as pessoas, organizações e redes que trabalham com homens e meninos podem criar parcerias fortes e responsáveis ​​com as mulheres e organizações de direitos das mulheres?
  • Quais são as formas atuais em que os homens estão sendo engajados através de abordagens centradas no feminismo? E como esse trabalho pode ser fortalecido?

Os/as organizadores/as envolverão os participantes em discussões em grupos sobre essas questões, com o objetivo de compartilhar preocupações, mas também desenvolver recomendações concretas sobre como as organizações envolvendo homens podem criar ambientes mais seguros, mais responsáveis ​​e inclusivos para todos/as. As discussões também explorarão como criar um diálogo mais regular e aberto entre os grupos que trabalham neste campo. As contribuições deste workshop serão incluídas em um documento de reflexão escrito pelos apresentadores.

 

Workshop 2: Estudos qualitativos e análise de dados (Apresentação)

Facilitadoras: Nwabisa Shai (SAMRC) e Lyndsay McLean (Social Development Direct)

Público: Pesquisadores iniciantes e pesquisadores experientes, e programas que visam implementar o uso de dados qualitativos para contribuir com o desenvolvimento de intervenções e influenciar políticas públicas para o enfrentamento da violência sexual e de gênero.

Descrição: Este workshop será adequado tanto para pesquisadores iniciantes como para pesquisadores experientes em pesquisa qualitativa, além de implementadores de programas que trabalham em Violência Sexual e de Gênero. O envolvimento de participantes com diferentes conhecimentos práticos e experiência em desenho e análise de pesquisa qualitativa facilitará o compartilhamento de ideias e experiências entre os participantes. Alguns elementos da sessão envolverão pesquisadores qualitativos, iniciantes e experientes, e alguns dos exercícios em grupo permitirão que os participantes trabalhem em seu próprio nível de especialização, garantindo que todos sejam capazes de compartilhar e ampliar seus conhecimentos e habilidades.

Objetivos do Workshop:

  1. Apresentar aos participantes vários estudos qualitativos, para discutir a adequação de cada projeto para diferentes questões de pesquisa sobre violência sexual e de gênero.
  2. Esclarecer os limites e alcances do uso de técnicas qualitativas, assim como o seu uso com técnicas quantitativas, com o objetivo de compreender as causas e consequências da violência sexual e de gênero, apoiando o desenvolvimento de intervenções e a mensuração de seu impacto.
  3. Apresentar e discutir diferentes métodos de análise de dados de pesquisas qualitativas e suas adequações a diferentes tipos de dados qualitativos.
  4. Discutir as diferentes formas de lidar com alguns desafios comuns, por exemplo, com a baixa qualidade das entrevistas, com dados otimizados, etc., e outras questões inerentes aos procedimentos da pesquisa qualitativa.
Facilitar o compartilhamento de ideias práticas, conhecimentos e habilidades na condução de estudos qualitativos rigorosos, e na análise de dados, utilizando exemplos da vida cotidiana de projetos de pesquisa qualitativos.      

 

Workshop 3: Desafios éticos e metodológicos na realização de pesquisas sobre a violência contra mulheres e meninas (VCMN) em contextos de conflito e de situações humanitárias (Apresentação)

Facilitadores: Manuel Contreras & Maureen Murphy (The Global Women's Institute, The George Washington University) e Jeannie Annan (The International Rescue Committee)

Público: Esse workshop está direcionado a pesquisadores/as interessados/as em discutir e aprofundar conhecimentos sobre as melhores práticas e desafios de conduzir pesquisas sobre violência baseada em gênero em contextos de conflito e situações humanitárias.

Descrição:

  1. Conhecimento de questões-chave relacionadas com evidências sobre violência contra mulheres e meninas adolescentes. O primeiro componente desse workshop será explorar a lacuna relacionada ao tema da violência baseada em gênero (VBG) em situações humanitárias. Serão discutidos elementos fundamentais na realização e condução de pesquisas relacionadas à VBG em situações humanitárias. Esta primeira sessão focará na importância da compreensão da situação de conflito e no contexto mais amplo em que a pesquisa é realizada para assegurar definições, teorias e métodos, culturalmente relevantes e abrangentes. O workshop contemplará áreas básicas de pesquisa para uma melhor compreensão da VBG, tais como análises de fatores de risco, desencadeadores, e normas sociais relacionadas.

Esta sessão apresentará ainda conceitos teóricos fundamentais e definições a serem incluídas nas pesquisas entre populações vulneráveis. Além das discussões relacionadas a experiências de mulheres que sofreram violência, os facilitadores também promoverão discussões sobre como compreender as experiências masculinas relacionadas à VBG.

  1. Compreensão básica de possíveis estratégias para superar os desafios em pesquisas sobre VCMN. Os facilitadores do workshop compartilharão experiências sobre ética, segurança e desafios metodológicos, incluindo: (1) como assegurar que os benefícios superem os riscos na pesquisa; (2) como deve ser feita a coleta de dados que seja metodologicamente consistente e que minimize os riscos para as participantes e para os pesquisadores; (3) assegurar serviços básicos de assistência e apoio de forma disponível e acessível; (4) garantir confiança e privacidade; (5) assinatura do termo de consentimento livre e informado; (6) monitoramento de potenciais consequências não intencionais após a realização da pesquisa; (6) gerenciar as expectativas da comunidade pesquisada, dentre outros tópicos.

Em relação aos desafios metodológicos, os facilitadores irão explorar aspectos vinculados à temporalidade; questões da amostragem; contextualização da metodologia em diferentes contextos de pesquisa; garantia da qualidade da pesquisa de campo; adaptação de pesquisas em diferentes contextos, dentre outros.

  1. Compartilhamento de resultados iniciais do projeto de pesquisa: “O que fazer para prevenir a violência contra mulheres e meninas em contextos de conflito e situações humanitárias”. Os facilitadores compartilharão resultados preliminares deste projeto, destacarão algumas questões relevantes e discutirão os gaps em evidências. Algumas ideias e estratégias neste cenário também serão compartilhadas.

 

Workshop 4: Desenvolvimento de parcerias acadêmicas e profissionais para a pesquisa de violência contra mulheres e meninas (Apresentação)

Facilitadores: Kathryn Falb e Danielle Roth, International Rescue Committee

Público: Este workshop destina-se a pesquisadores, profissionais que trabalham em contextos humanitários e de desenvolvimento e que: 1) estão interessados ​​em desenvolver uma parceria pesquisa-implementador e 2) ou que tenham sido parte de uma parceria anterior de pesquisa-implementador e gostariam de aprender sobre lições aprendidas com colegas de organizações nesse campo para tornar suas parcerias mais frutíferas.

Descrição: As parcerias entre organizações implementadoras, sejam organizações internacionais não-governamentais ou organizações comunitárias locais, e pesquisadores acadêmicos estão ganhando popularidade, com maior ênfase na geração de evidências sobre a eficácia das intervenções. Embora tais parcerias sejam úteis para avaliações de impacto robustas e rigorosas, podem surgir desafios ao longo do ciclo de pesquisa, desde o desenvolvimento do projeto de estudo até a análise de dados e a interpretação dos resultados com base em diferentes perspectivas, valores e prioridades entre pesquisadores e organizações.

O objetivo deste workshop é:
Definir modelos de parcerias acadêmicas/profissionais e suas diferentes perspectivas

Descrever os principais desafios que podem surgir ao longo do relacionamento acadêmico/profissional em diferentes momentos do processo de pesquisa.

Compreender medidas que podem reduzir os desafios e melhorar a compreensão e a comunicação entre os parceiros.

 

Workshops da tarde: 14:00 – 17:00

Workshop 5: Dois passos para frente, um passo para trás: Explorando conquistas e desafios enfrentadas por feministas para erradicar a violência sexual e de gênero em contextos humanitários e de desenvolvimento. (Apresentação)

Facilitadoras: Jeanne Ward, Sophie Reed-Hamilton, Anu Pillay, Lori Michau and Sarah Martin (Coalition of Feminists for Social Change)

Público: Todos os públicos, em particular àqueles que trabalham com a temática da Violência Contra as Mulheres e Meninas.

Descrição: Nas últimas três décadas, foram feitos progressos no combate à violência contra mulheres e meninas (VCMN) globalmente. A análise feminista e o ativismo têm sido fundamentais na obtenção de ganhos em direitos das mulheres, inclusive no reconhecimento e ação para enfrentar a VCMN. No entanto, feministas, acadêmicos e ativistas estão ficando cada vez mais alarmados com o reduzido espaço de trabalho, que tenham como foco as mulheres e meninas, no tocante a VCMN em contextos humanitários e naqueles de desenvolvimento. Isso se manifesta em numerosos desafios inter-relacionados, incluindo:

  • O domínio da neutralidade de gênero, particularmente no discurso e na prática humanitária.
  • Diferentes e confusas interpretações do que significa “violência baseada no gênero” (VBG), incluindo a categorização de qualquer violência como violência de gênero.
  • Uma mudança dos movimentos e dos ativismos liderados por mulheres para uma abordagem tecnocrata politicamente neutra para acabar com a violência que ignora a desigualdade de gênero.
  • A falta de clareza sobre como o fenômeno da VCMN interatua com outras formas de violência interpessoal e coletiva e o surgimento da competição em torno da vitimização;
  • A falta de análise de como incluir homens no trabalho para erradicar a VCMN de uma forma que seja responsável perante mulheres e meninas.

Este workshop facilitará a reflexão e o diálogo entre os participantes sobre esses desafios. O workshop começará com uma série de apresentações individuais por organizadores, ativistas e acadêmicos do campo da VCMN focados nas questões referidas anteriormente e seguidos de trabalho em pequenos grupos para discutir os seguintes assuntos: 

  • Como re-politizamos e revigoramos as perspectivas e abordagens feministas sobre a VCMN e a igualdade de gênero em espaços humanitários e de desenvolvimento?
  • Como podemos equilibrar as tensões entre trabalhar “no sistema (patriarcal)” e trabalhar para interrompê-lo?
  • Como podemos garantir que a linguagem e a conceituação de gênero e VBG enfatizem as bases e abordagens para lidar com a VCMN e os direitos das mulheres?
  • Como devolver o espaço às mulheres e às meninas de uma forma mais pró-ativa do que reativa, sem desalojar as necessidades e os direitos dos outros grupos afetados pela violência?
  • Como continuamos a exigir atenção às necessidades e direitos das mulheres e meninas, ao mesmo tempo que identificamos e nos associamos a outros movimentos de justiça social?
  • Como incluímos homens e meninos no trabalho para erradicar a VCMN de uma forma que seja responsável perante as mulheres e as meninas e que contribua para a desconstrução em vez de reforçar as relações de poder opressivas que estão no cerne do problema?

O trabalho em pequenos grupos será seguido por uma grande discussão em grupo sobre estes e outros pontos de preocupação, incluindo recomendações para avançar como uma comunidade feminista.

 

 

Workshop 6: Indo além da regressão em direção à causalidade: Introdução de métodos estatísticos avançados para pesquisas sobre violência sexual. (Apresentação)

Facilitadora:  Regine Haardörfer (Rollins School of Public Health, Emory University).

Público: Esse workshop está voltado para pesquisadores que estão familiarizados com análise de regressão e que desejam expandir seu conhecimento.

Descrição: Esse workshop apresentará aos/às participantes, tópicos avançados em análise estatística em pesquisas. Vamos abordar métodos que são na sua maioria baseados em regressão multivariada, mas permitem que os investigadores produzam conclusões para além das associações entre indicadores e variáveis ​​de resultado.

Especificamente, iremos incluir temas como análise de escore de propensão, modelos de trajetória, modelo de defasagem cruzada, análise de classes latentes.

  1. Métodos de escore de propensão são úteis em estudos em que a atribuição aleatória não é possível. Embora experimentos randomizados controlados sejam o padrão de excelência, muitas vezes não temos a opção de randomizar os participantes. Os escores de propensão oferecem uma maneira de ajustar as análises para levar em conta as diferenças na afiliação grupal que são cruciais, produzindo fortes conclusões dos dados não-aleatórios.
  2. Os modelos de trajetória permitem modelar relações entre variáveis ​​que estão mais alinhadas com nossas estruturas teóricas que muitas vezes hipotetizam trajetórias.
  3. Os modelos de defasagem cruzada permitem investigar o que poderíamos chamar de dilemas de precedência.
  4. A análise de classes latentes é um método estatístico que nos permite identificar a associação entre os participantes a partir de um grupo de comportamentos. Isso é crucial, pois sabemos que muitos comportamentos não ocorrem de forma isolada, e sim coexistem com outros. A categoria classe tem o potencial de não apenas explicar os resultados, mas permitir que os pesquisadores direcionem as intervenções para diferentes classes.            Para cada método, vamos introduzir questões de pesquisa que podem ser respondidas, demonstrar o método com um exemplo e discutir a interpretação dos resultados. Os participantes discutirão como esses métodos se aplicam à sua pesquisa.

 

Workshop 7: Criando espaços seguros para falar sobre relacionamentos inseguros: Desenvolvendo orientação para o envolvimento de crianças e jovens em pesquisas sobre violência sexual (Apresentação)

Facilitadoras: Silvie Bovarnick,  C.J Hamilton e Kirsten Walker (International Centre: researching sexual violence, exploitation and trafficking, University of Bedfordshire).

Público: Investigadores que empreguem investigação empírica sobre a temática da violência sexual que afeta crianças e jovens e profissionais envolvidos na realização, comissionamento e/ ou parcerias em investigação aplicada nesta área.

Descrição: Diversas pesquisas realizadas em todo o mundo fornecem evidências da prevalência da violência sexual contra crianças e jovens (Finkelhor et al., 2005; 2014; Radford et al., 2011; WHO, 2013), enquanto estudos qualitativos com adultos sobreviventes fornecem dados ricos sobre experiências pessoais de histórias de casos de abuso.  No entanto, devido a uma série de preocupações éticas e barreiras logísticas – e uma falta de conhecimento e experiência sobre como abordá-los – a investigação envolvendo crianças e jovens afetados por estas questões tem sido relativamente escassa (Horvath et al., 2014). Pelas mesmas razões, exemplos de abordagens mais participativas da pesquisa sobre violência sexual com crianças e jovens estão em pesquisas voltadas para a infância. Aspectos centrais das preocupações éticas centram-se no desejo de evitar traumatismos secundários e no "recontar" desnecessário de narrativas de abuso, juntamente com o reconhecimento do potencial de geração de mais estigma e, para alguns, a interrupção de alianças terapêuticas existentes ou, ainda mais problemático, processos jurídicos. Por mais válidas que sejam, essas preocupações frequentemente escondem e superam outros importantes imperativos éticos, decorrentes de uma estrutura baseada em direitos. É necessário reconhecer e promover as próprias vozes das crianças e a capacidade de fomentar o debate, tanto como um meio de empoderamento pessoal como um meio de desafiar as culturas de silêncio e impunidade nas quais o abuso floresce.

Esta apresentação irá explorar estas questões com base nos resultados de uma revisão de internacional das estratégias existentes e abordagens para envolver os jovens em pesquisas sobre violência sexual e desenvolver trabalhos sobre diretrizes e recursos para apoiar os pesquisadores. Estimularemos uma discussão interativa para apresentar e desenvolver o aprendizado sobre as necessidades de apoio de pesquisadores interessados ​​em envolver, de maneira ética, crianças e jovens em estudos para abordar a violência sexual.

Começaremos explorando a justificativa para a participação das crianças e jovens na pesquisa sobre violência sexual, considerando-se a abordagem pragmática; questões políticas e morais. Seguiremos com uma consideração sobre os principais desafios envolvidos neste trabalho, incluindo tensões práticas e éticas e questões específicas relacionadas com a violência sexual.

Depois, este workshop irá apresentar ideias (ainda em desenvolvimento) para futura orientação internacional para pesquisadores interessados ​​em incluir crianças e jovens diretamente em suas pesquisas. Este aspecto do workshop utilizará métodos consultivos para discutir as próprias experiências e necessidades dos participantes; os desafios que inibem a prática da pesquisa participativa; e o potencial formato, uso e acessibilidade da orientação. Finalmente, um pequeno número de ferramentas de exemplo e esboços de estratégias serão apresentados para consideração e discussão, com base nos resultados da revisão e na própria experiência da equipe de pesquisa.

Principais objetivos para os participantes:

  1. Compreensão do valor da ética na participação de crianças e jovens em pesquisas para abordar a violência sexual
  2. Compreensão de questões éticas e práticas na pesquisa participativa com crianças e jovens para lidar com a violência sexual
  3. Exemplo de estratégias, abordagens e ferramentas para abordar alguns dos desafios do envolvimento das crianças e jovens em pesquisas para abordar a violência sexual

 

Workshop 8: Comunicação em pesquisa para ampliar as mudanças sociais (Apresentação)

Facilitadoras: Emma Fulu, Marta Jasinska e Scarlett Thorby-Lister (The Equality Institute)

Público:  O workshop pretende reunir acadêmicos, pesquisadores, jornalistas, ativistas e provedores de serviços.

Descrição:  A violência contra as mulheres é altamente presente em todo mundo. Por isso, as soluções precisam ser, igualmente, de grande alcance. Embora as evidências demonstrem que a prevenção da violência contra as mulheres é possível, essas informações precisam ser comunicadas em grande escala para que diferentes setores da sociedade se interessem e tenham condições de produzir mudanças nesse cenário. Além disso, projetos e políticas públicas precisam ser levados a grande escala com o intuito de erradicar a violência contra as mulheres.
O fluxo de novas tecnologias e meios de comunicação tem um potencial incomensurável para disseminar os resultados de investigações e promover a sua aceitabilidade. No entanto, no campo da violência contra as mulheres, em particular, existe uma disparidade significativa entre a quantidade de investigação disponível e a sua eficácia na informação para uma série de partes interessadas, influenciando as políticas públicas e promovendo mudanças sociais.

The Equality Institute é uma das instituições líderes em traduzir o conhecimento e a comunicação dos resultados de investigações para um amplo leque de audiências com vistas a prevenir a violência contra as mulheres em larga escala. O workshop utilizará nossa experiência na identificação de interessados, adaptando pesquisas e formas de comunicação para atender às suas necessidades, identificando meios para comunicar os resultados da pesquisa, incluindo recomendações para o uso de mídias sociais e rastreando a aceitabilidade da pesquisa.

Compartilharemos as evidências mais atuais em torno das intervenções, e passaremos por um processo universal de captação de pesquisa, que possa ser compreendida como um passo a passo, adaptado por investigadores, ativistas, dentre outros. Cada participante terá a oportunidade de participar ativamente e contribuir para a discussão, e receberá um manual que pode ser preenchido durante o workshop.

O workshop terá três principais pontos de aprendizagem:

  1. Compreender as evidências mais recentes em termos do que funciona para levar a escala as intervenções de prevenção frente a violência contra as mulheres.
  2. Compreender como disseminar pesquisas para atingir objetivos específicos, e como usar diferentes ferramentas para captação de pesquisa, incluindo mídias sociais.
  3. Aprender a comunicar resultados complexos de pesquisas de uma forma simples, divertida e envolvente.

 

 
Join us on Facebook Join us on Twitter